Gestão sobre o consumo de energia elétrica

Em quase todas as indústrias a energia elétrica responde por uma parcela significativa na composição do custo do produto final, impactando na competitividade da empresa frente aos concorrentes, assim, um acompanhamento cuidadoso sobre o consumo deste insumo se faz necessário.

 

Gestão de custos

A análise mensal das informações de consumo de energia permite pôr em prática ações e estratégias que promovem a redução do custo da energia elétrica da instalação em R$/MWh.

Seja no mercado cativo ou no mercado livre o acompanhamento do consumo de energia elétrica deve ser feito de forma intensa e constante.

A compra de energia no ambiente de contratação livre (ACL) oferece benefícios e dá maior previsibilidade sobre o preço, uma vez que, os contratos são normalmente de três anos ou mais com reajuste anual pelo IGPM ou IPCA.

Além disso, a energia comprada no ACL está livre das bandeiras tarifárias e das revisões tarifárias das concessionárias, as quais fogem totalmente do controle dos consumidores.

Há que se considerar porém, os riscos inerentes a esta modalidade de compra de energia. No início deste ano, dois comercializadores declararam default no mercado após subida do PLD (Preço de Liquidações das Diferenças) no período úmido que frustrou em janeiro e fevereiro, ou seja, uma subida de preços inesperada pode trazer prejuízos para o consumidor (se a energia for comprada em um momento ruim de preços) ou no caso das comercializadoras, fazer com que não tenham caixa para honrar a venda de energia feita (especificamente, tais empresas venderam energia não contratada, ou seja descoberto, esperando recomprar a energia a preços mais baixos e realizar o lucro).

 Para evitar estes problemas, a BASE Energia se preocupa em adotar estratégias de compra que visam proteger os seus clientes contra turbulências do mercado, além de selecionar comercializadores e geradores de energia de primeira linha, não deixando assim os clientes expostos ao mercado.

Com uma boa contratação de energia, a BASE Energia tem auferido ganhos anuais na faixa de 25% frente ao mercado cativo, sem a necessidade de exposição excessiva ao risco.

Entendemos que o acompanhamento dos gastos com energia não devem competir com as atividades pertinentes ao negócio da empresa. Não é desejável que o gestor priorize seu tempo no acompanhamento do consumo da energia elétrica, mas sim nas suas atividades fins. Além disso, a busca pela melhor condição de compra da energia exige conhecimento técnico e um acompanhamento regular da legislação do setor elétrico.

 

Reajuste nas bandeiras tarifárias

Criado pela ANEEL, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

A ANEEL abriu uma audiência pública propondo avanço metodológico na regra de acionamento das bandeiras tarifárias, atualizando o perfil do risco hidrológico (GSF), o qual passa a refletir exclusivamente a distribuição uniforme da energia contratada nos meses do ano. A definição da cor da bandeira continua a ser dada pela combinação entre risco hidrológico e preço de liquidação de diferenças (PLD).

A proposta em audiência traz também a expectativa de alteração no valor das bandeiras tarifárias a partir de maio de 2019. A bandeira amarela passa a R$ 1,50 a cada 100 (kWh), já a bandeira vermelha no patamar 1 custará R$ 3,50 a cada 100 (kWh), e no patamar 2, R$ 6,00 a cada 100 (kWh).

Os valores, porém, podem sofrer alterações até a conclusão da audiência pública, uma vez que o chamado período úmido só termina no fim de março. FONTE: ANEEL.

 

A BASE Energia é homenageada pelo GRAACC

O Grupo de Apoio ao Adolescente e a Criança com Câncer (GRAACC) é uma instituição social sem fins lucrativos que garante todas as chances de cura para crianças e adolescentes com câncer. Sua unidade hospitalar em parceria técnica-científica com a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), se tornou referência no tratamento da doença, principalmente os casos de maior complexidade e alcançando altos índices de cura, atendendo mais de 3.500 pacientes por ano de todo país entre a idade de 0 e 18 anos. Para manter todos os recursos, o GRAACC recebe ajuda em campanhas e doações de várias empresas.

No dia 21 de fevereiro de 2019, a BASE Energia foi convidada a participar de um café da manhã promovido pelo GRAACC em sua unidade hospitalar na cidade de São Paulo/SP, para receber uma homenagem por contribuir com o Grupo na participação de uma de suas campanhas que levanta fundos para a instituição e também foi convidada à conhecer toda a estrutura hospitalar, seu funcionamento e a seriedade com seus pacientes.

Funcionárias da BASE Energia sendo homenageadas.

 

Capacitação

A observância às normas técnicas é uma regra de ouro na BASE Energia.

Com relação aos procedimentos corretos para manuseio da eletricidade, é obrigatório que os eletricistas tenham cursos específicos para isso. O profissional não pode exercer atividades de eletricidade sem estar devidamente capacitado para isso.

O eletricista deve estar ciente dos riscos e ter conhecimento de todos os procedimentos para mitigação destes riscos.

A BASE Energia oferece, tanto para seus próprios colaboradores como para seus clientes, os cursos e treinamentos necessários, entre eles, NR 10, NR 35 e SEP.

Curso de NR10

Curso de NR35